Case 2: Cavalo de Salto de difícil condução e temperamento arredio

Case 2: Cavalo de Salto de difícil condução e temperamento arredio
  1. Um cavalo de salto da raça B.H., de 5 anos de idade, com aproximadamente 650 kg apresentava difícil condução, com relutância ao trabalho  e tensão excessiva. Na baia, o cavalo W. (por motivos éticos, nomes de pacientes não são revelados) apresentava um comportamento arredio e bravo sem motivos claros.

O exame odontológico revelou exposição das câmaras pulpares (exposição de canal!) nos dentes 10 molares inferiores direito e esquerdo. Foi solicitado um estudo radiológico completo.

As imagens radiológicas revelaram a necrose das raízes dos dentes afetados.

Exame radiográfico do cavalo W: necrose das raízes do dente 1° molar (seta vermelha) mandibular

Como os dentes apresentavam lesões irrecuperáveis e presença de foco de infecção poderia afetar outros dentes, optou-se pela exodontia (extração) sob anestesia geral. A análise dos riscos no período peri-operatório (período que compreende o  pré cirúrgico, o transoperatório e o pós cirúrgico) indicou que a melhor conduta seria realizar a cirurgia em 2 etapas: inicialmente seria realizada a bucotomia (abertura dos tecidos e ossos na região da boca onde se localizava o dente afetado) e exodontia na hemiface mais afetada e após 6 meses seria realizada no outro lado da face.

Cavalo W: foi submetido á anestesia geral após a certificação de que encontrava se em perfeitas condições de saúde.

Após a realização dos exames pré-cirúrgicos (Hemograma completo, provas de funções renal e hepática) , o cavalo W. foi submetido á anestesia geral .

Dr. Luiz Rapp durante o procedimento cirúrgico em condições de ideais de assepsia no centro cirúrgico

O campo operatório foi demarcado e a bucotomia seguida pela exodontia foram realizadas. Foi inserido um dreno no local para permitir o escoamento de secreções e a irrigação de soluções antibióticas no local.

O cavalo W recuperou-se da anestesia geral bem, sem maiores problemas. Cerca de 6 horas após a cirurgia, W alimentou-se normalmente.

Dente 409 extraído do cavalo W: exposição e necrose de todos os 5 canais.

O exame do dente 1° molar mandibular esquerdo (409) após a extração, confirmou o diagnóstico do exame da cavidade oral:   presença de exposição e necrose de todas as  câmaras pulpares (canais). A lesão era tão intensa que 3 câmaras pulpares fundiram se, tornando apenas um orifício  único. Esta foi a causa da destruição das raízes.  Devido á gravidade do caso, W.  foi mantido sob antibióticoterapia por 15 dias e analgésicos e anti-inflamatórios por 1 semana.

Paralelamente, W. foi submetido á sessões de laserterapia para reduzir a dor , o edema, e auxiliar
na cicatrização no pós-operatório imediato  cicatrizante. No 12o dia de pós-cirúrgico o dreno foi retirado e a laserterapia foi mantida por mais 2 semanas. W foi liberado para trabalhar 3 semanas após a cirurgia. Noventa dias após a cirurgia, os exames odontológico intra e extra oral e o estudo radiológico do local de realização da bucotomia revelaram completa recuperação de tecidos moles, osso mandibular e preenchimento do alvéolo dentário.

Cavalo W. ; 9° dia de pós operatório. O dreno foi mantido no local da bucotomia para permitir a infusão de antissépticos curativos e para permitir a drenagem de secreções

Seis meses após primeira bucotomia e exodontia, a segunda bucotomia foi realizada seguindo os mesmos protocolos cirúrgicos. Os resultados foram semelhantes aos relatados anteriormente.

Cavalo W. 90 dias após a bucotomia para exodontia (extração) do dente 409. Excelente resultado estético. A função mastigatória não foi afetada.  Seu temperamento tornou-se mais amigável e calmo

Chamou a atenção que, além da condução ter sido facilitada, cerca de 3 meses após a realização do 2º procedimento cirúrgico, W tornou-se um cavalo menos arredio, ficou mais calmo quando estava na baia. Possivelmente, nosso paciente sofri de dor contínua durante a mastigação, equitação e em repouso.