Perguntas Frequentes

Questões selecionadas entre as dúvidas mais comuns dos criadores e tratadores de equinos.

Qual a idade indicada para fazer os dentes dos animais?

Esta é uma das questões mais frequentes. Existe uma pequena confusão: o exame da cavidade oral deve ser realizado a cada 6 meses desde o nascimento, mas o atendimento odontológico não obedece esta regra. Até os 2 anos de idade os potros devem ser examinados a cada 6 meses e a intervenção só ocorrerá ser houver necessidade. Os 2 anos de idade são uma idade crítica para saúde física e mental dos potros: começa a doma e é fechado em uma cocheira.

Aos 2 anos de idade, preferencialmente antes da doma, o atendimento odontológico é indicado para reduzir o stress da doma e torná-la mais suave e menos traumatizante. Delicadas estruturas como lábios, línguas, barras e gengivas serão submetidas a ação dos instrumentos usados na doma.

Os cavalos são animais de pastoreio contínuo. No pasto, um potro mastiga em média 18 horas por dia. Isto permite afirmar que a mastigação é um ato que motiva o prazer. Caso contrário, o eqüino evitaria esse ato, minimizando o tempo de mastigação, como ocorre em casos de doenças ou restrição do seu habitat natural. Ao fechar o potro na cocheira este irá comer a ração mais rapidamente. Como não tem livre acesso ao pastoreio o desgaste natural dos dentes é modificado e favorece o surgimento de doenças odontológicas.

Dos 2 aos 5 anos de idade ocorre a queda de 24 dentes decíduos (“dentes de leite”) e a erupção (“nascimento”) de 36 a 44 dentes permanentes (“dente definitivos”). Um dente decíduo que fica retido (“preso”) e não cai na idade certa, ou, um dente permanente que tem sua erupção em tempo errado irão quebra o equilíbrio de toda arcada dentária. Novamente, o exame odontológico deve ocorrer a cada 6 meses, mas o atendimento deve ocorrer em intervalos máximos de 1 ano e se houver necessidade, de acordo com o diagnóstico, este intervalo pode ser reduzido.

Após os 5 anos, com todo processo de muda e erupção completo, o exame e o atendimento normalmente são anuais. Presença de defeitos congênitos, fraturas e ausências dentárias indicam atendimentos em freqüências que variam de 4 a 6 meses ou de acordo com a indicação do veterinário.

Qual o significado do dente de lobo?

O dente do lobo é o primeiro pré-molar. Seu tamanho é reduzido e nem sempre está presente. Normalmente está situado mais próximo dos lábios imediatamente á frente do dente segundo pré-molar e não tem mais do que um ou dois centímetros de comprimento (figuras 1 e 2).

Figura 1

Figura1: Crânio de eqüino. Parte dos ossos da mandíbula e maxila foram removidos para permitir a visualização total dos dentes. Compare o tamanho do dente do lobo em vermelho (seta amarela) em relação aos outros dentes.

Figura 2

 

Figura 2: Equino da raça Árabe de 12 anos de idade. O dente do Lobo (seta vermelha) está imediatamente á frente do 2° pré molar. Compare o seu tamanho em relação ao 2°pré-molar.
Alguns dentes do lobo tornam-se angulados e migram sob a mucosa; localizam-se por volta de três centímetros á frente do segundo pré-molar. Como não ocorre erupção destes dentes, esses são ditos “dentes do lobo ocultos”.

Devido ao seu tamanho reduzido, o dente do lobo sofre uma discreta mobilidade ao ser tocado por alguns tipos de embocadura. Esta mobilidade provoca inflamação e dor que afetam a condução do cavalo.

Como a extração leva poucos minutos, a extração é mais indicada do que perder horas em discussões que não levam a lugar algum. Por se tratar de uma extração está indicado o uso de anti-inflamatórios e antibióticos no pós-operatório. Deve-se aguardar a completa cicatrização (entre 7 e 10 dias) antes de colocar novamente a embocadura. Ao colocar a embocadura antes da completa ciatrização do local da extração pode provocar dor e inflamação intensas que irão refletir diretamente na condução.

Por que os animais submetidos ao atendimento odontológico melhoram o comportamento e a performance no trabalho?

A melhora no comportamento e performance dos cavalos observada após o atendimento odontológico deve é conseqüência da eliminação de algum tipo de processo doloroso: pontas de esmalte dentário, inflamação de língua, gengiva e periodonto; retenção de dente decíduo (“dente de leite”), maloclusão congênita, maloclusão adquirida devido ao confinamento em baia, fratura dentária, cárie, abcesso na raiz do dente, ausência de sincronia na erupção dentária, sinusite e lesão óssea na barras.

A dor contínua tem conseqüências neurológicas e endócrinas sobre o cavalo que podem elevar a redução do apetite, ganho de peso e massa muscular; aumento da exigência cardíaca e pulmonar, queda de resistência, posturas anormais e incapacidade funcional.

O objetivo primordial da odontologia eqüina é re-estabelecer o equilíbrio e simetria das arcadas dentárias do cavalo. Desta forma fica claro que a odontologia é uma especialidade cirúrgica da medicina eqüina muito mais complexa do que apenas aparar pontas de dentes e extrair dentes de lobo.